domingo, 5 de julho de 2015

Faz frio lá fora...


Eis que veio o vento e eu precisei me agasalhar.
Um dia frio é um dia fechado e sem sol. Parece que a alma pede aconchego, pede o abraço e o calor é maior quando a aproximação acontece. A proximidade aquece o frio.
Enquanto via a reportagem de um terrorista correndo por uma praia matando pessoas aleatoriamente eu fiquei pensando na maldade humana. Por que razão o homem se tornou desta forma? Assusta-me toda forma do mal!
Uma praia . Lugar de risos e férias. Um homem mau e quantas dores ali!  Desgraçadamente aquele homem atirando e as pessoas apavorando-se. Outras morrendo. Onde há o mal a morte é certa.
E então me pus a pensar na efemeridade da vida nesta terra de homens e mulheres de boa vontade.
Hoje somos uma luz. Amanhã poderemos apagar.
A palavra mais certa é: Efêmeros!
Por esta razão eu acreditei que o meu dia é apenas o hoje e o meu tempo o agora. E eu posso fazer tudo neste exato momento porque a mim somente pertence o presente! Eu sou e tenho o que carrego comigo.
Por maiores que sejam as coisas que eu possa conseguir a verdade é que sou apenas o que carrego comigo!
Então, pensei melhor e quis saber mais do passado fazendo uma parada para contemplar  lembranças que trago nas janelas da alma. Algumas fazem sorrir , outras gargalhar e no próximo instante me deparo com fatos do passado que me fazem entristecer e  dentro de mim bate  uma tristeza enorme porque remexo gavetas  ainda  fechadas, dormentes, esquecidas em lugares  sombrios.
E o passado me fez pensar no presente que é o futuro que tanto sonhei.
E quando parei me vi temerosa querendo saber qual será o caminho dos meus passos e quais serão as próximas alegrias do meu ser. Quantas ainda serão as lutas e será que algumas cordas se romperão nessa caminhada!?
Nenhum dia poderei acrescentar à minha vida.
Diante desta janela minha alma contempla o mundo lá fora.
Para alguns a noite fria será de dores. Este vento certamente congelará os ossos de quem está ao relento, desprovido da segurança e do amor.
Para outros a noite fria será o motivo para se aninhar e regozijar-se diante de tanto conforto e haverá alegria.
Mas todos despertam amanhã para mais um dia. Alguns desolados pelo frio e outros preenchidos pelo conforto do calor e do aconchego e estarão ali diante de mais um dia de lutas. As lutas da vida!
Enquanto penso, faz frio lá fora e meu coração aquecido pelas lembranças vê somente os passarinhos que cantam mesmo assim , como se não houvesse a garoa, como se o vento fosse apenas um vento qualquer... e então eu consigo perceber o milagre da vida!
A cada um Deus dá a força necessária para vencer as intempéries.
É preciso ter esperança e saber se guiar mesmo na adversidade, mesmo na frieza e na rudeza dos dias.
O mundo diante da janela me mostra que a vida não está fácil e ao mesmo tempo eu sinto que a palavra fé deve ser a razão do eterno prosseguir. Fé autêntica se demonstra nos diferentes desafios.
Cantam os pássaros anunciando o entardecer e eu os sinto tão felizes apesar do frio e do vento e da chuva e dos problemas todos que impediram o sol de brilhar.
Mas foi preciso chover!
Um dia de chuva para a natureza é um dia de limpeza, de ares renovados e o frio só existe nas almas que não sabem amar.
Esta tarde fria me faz entender que preciso me soltar daquilo que ao meu ver dá confiança e segurança e crer que Deus está acima de tudo e sabe e ouve e vê.
Diante da janela está o meu pé de pássaros que me faz crer num mundo de vida eterna.
E eu leio que após a morte a alma permanece dormindo, quieta, ausente, e o corpo se decompõe na sua materialidade.O homem volta ao pó.
Todo silêncio do mundo enquanto os homens choram as dores todas das saudades.
Porém, o que restará é a esperança.
Um dia, numa nuvem haverá o resgate. Jesus voltará e todo o olho O verá.
Esse dia terno e quente.
Será como o cantar dos passarinhos na manhã ensolarada do verão.
E entenderemos porquê fez frio lá fora. . .   

Um comentário:

Voando por aqui . . .